Sogra ajudou sogrão a me foder…. continuação
Era sexta feira era mais ou menos umas 14:00 horas como eu não tinha nenhum cliente na minha clinica a tarde resolvi ficar em casa e nesse momento estava sozinha em casa e resolvi aproveitar o restante da tarde indo na academia e salão de beleza e estética para manter meu corpo legal e com tudo firme… sem modéstia tenho um corpão bem definido: Morena Clara, 1,75 de altura, cabelos longos, seios médios e bumbum empinados, coxas grossas e cintura de manequim. Eu sempre procuro me cuidar o máximo pois se eu não me cuidar quem vai.

Era 17:00 recém tinha chegado da academia tomei um banho e me sequei e como eu iria ficar em casa resolvi ficar nua pois estava calor, fui até a cozinha preparei um lanche e me desloquei até a sala liguei a televisão para assistir minutos depois ouvi barulho na porta levantei rápido e fui para meu quarto pegar meu roupão me vestindo ouvi uma voz era Ricardo me chamando até a sala.

Chegando até a sala ele perguntou se eu queria ir na casa dos seus pais para um churrasco me disse que alguns parentes que vieram muito longe tinham vindo ver seus pais, na mesma hora lembrei da noite que descumpri uma das nossas regras transei com meu sogro na casa de swing, lembrei da sua pegada firme, do seu pau invadindo minha bundinha das suas metidas violentas e de seus beijos e minha bucetinha ficou toda molhadinha ao lembrar, mas porem me controlei e o medo tomou conta de mim pois Ricardo jamais poderia descobrir. Perguntei para Ricardo se ele queria mesmo que eu fosse ele disse que sim que gostaria pois seria importante para ele e seus pais.

No quarto me arrumando peguei a lembrar daquela noite mais uma vez no clube de swing eu de quatro feito uma cadelinha no cio e meu sogro com seu pau me enrabando minha bundinha suas estocadas firme que faziam eu gemer todinha e naquele momento minha bucetinha ficou toda molhada. Depois daquela noite jamais falei com meu sogro e apenas pedi para ele sigilo e porem seria a primeira vez que falaria com ele depois daquela noite que tivemos além disso terminei de me arrumar e na minha bolsa coloquei alguns comprimidos após o dia não saberia o que aconteceria, mas se acontecesse queria estar prevenida.

No caminho para casa dos meus sogros eu estava tensa pois tinha que me controlar Ricardo não poderia saber que eu tinha ficado com seu pai com a ajuda da sua mãe. Chegando na casa deles cumprimentei meu sogro e minha sogra e os familiares de Ricardo que tinha vindo visitar, meu sogro logo pregou os olhos em mim e nenhum momento disfarçou e com seus olhos me desejava como nunca.

Meu sogro não é de jogar fora, 50 anos, cabelos grisalhos, corpo normal e muito bem cuidado, 1,80 de altura e coxas grossas dá de dez a zero em muitos homens e jovens por aí. Acomodados estávamos conversando perto da churrasqueira e tomando cerveja junto com amigos e familiares de Ricardo conversa vai e conversa vem e meu sogro não parava de olhar para mim e para minhas pernas pois eu estava de vestido preto e curto por incrível que pareça o mesmo que usei na casa de swing quando fiquei com ele e com certeza isso ele deve ter percebido.

Minha sogra ao perceber a situação entre nós que estava me convidou para ir até a cozinha dizendo que queria minha ajuda porem na verdade era para aliviar a situação entre eu e meu sogro pois tínhamos visitas e ele não iria se controlar, ao chegar na cozinha minha sogra sem rodeios abriu o jogo e disse:

– Não vou mentir para você Juliana ele quer você. Eu fiquei muda, mas minha bucetinha deu sinal de vida começou a ficar molhada só de minha sogra falar aquilo porem minha sogra tentou novamente puxar assunto comigo e fazendo uma proposta.

– Para Juliana não me diz que você esqueceu daquela noite ele comeu sua bundinha até gozou nela ele me contou tudo, sei que você gostou, se você não tivesse gostado ou não quisesse você tinha dito naquele momento que não queria e pelo jeito você gostou da pegada dele.

– Gostei sim não vou mentir, mas esse não é o momento e nem hora seu filho não sabe e gostaria que continuasse assim. Respondi.

– Vamos fazer assim Juliana nossos parentes que estão ali fora querem visitar outras parentes que temos em Santa Catarina e até onde sei eles vão querer viajar ainda hoje como eles estão cansados não vão querer viajar a noite toda vão querer viajar um pouco e passar a noite em algum hotel na estrada o Ricardo com certeza não vai ir pois ele tem que abrir sua loja e somente sábado à noite ele vai ir para santa Catarina ao nosso encontro se você quiser bem que você poderia ir junto no nosso carro e como vamos passar a noite em um hotel na estrada você já sabe o que vai acontecer.

Naquele momento fiquei muda pois percebi que minha sogra tinha pensado em tudo meu corpo dizia que sim, mas a minha mente ainda tentava seguir o caminho certo.

Nesse momento estávamos sentados ao redor da mesa almoçando quando minha sogra resolvei puxar o assunto:

– Amanhã vamos em Santa Catarina rever nossos parentes você vai junto né Ricardo você e a Juliana já estava tudo combinado viajamos um pouco e passamos a noite em algum hotel para descansar depois no outro dia continuamos. Ricardo respondeu:

– Bem que eu queria ir mãe, mas a amanhã tenho que abrir a loja infelizmente.

– Já que você não vai ir hoje vai amanhã e leva o Felipe e a juliana junto ou se você quiser para aproveitar a Juliana pode ir junto com nós e amanhã vai somente você dois. Disse minha sogra.

– Para mim tudo bem mãe a Juliana pode aproveitar a viajem com vocês.

Depois de que todos almoçaram começamos a tirar as coisas da mesa e na cozinha estava somente eu e minha sogra e ela disse:

– Minha parte eu fiz Juliana só falta você aceitar.

– O que você pretende sogra. Disse

– Sem limites se você quiser.

– Ok. Respondi.

Era mais ou menos 19 horas eu estava em casa me arrumando para a viagem coloquei um vestido branco e por baixo uma langeri branca e na minha bolsa coloquei comprimidos após o dia. Minutos depois meu sogro chegou com seu carro e pregou os olhos em mim e seus olhos brilhavam mas disfarçou pois Ricardo tinha chegado com minha bolsa e ainda mais que tinha um dos seus familiares dentro do carro que resolveu ir junto com eles.

Na estrada meu sogro não parava de olhar pelo retrovisor e nem um minuto não desgrudava de mim e minha sogra percebeu e resolvei puxar assunto e contar piadas para que o familiar que estava ali não percebesse a situação. Em um posto de gasolina paramos para pegar alguns lanches e fomos para a estrada novamente viajamos por uma hora e paramos em um hotel para descansar, na recepção meu sogro deixou seus familiares ir na frente escolher os quartos logo atrás fomos nós. Meu sogro na recepção exigiu algumas coisas pediu um champanhe e um quarto bem reservado e bem longe dos seus familiares a recepcionista ao ouvir deu risada e minutos depois eu pedi um quarto só para mim para não chamar a atenção da recepcionista ela perguntou se tinha alguma exigência eu disse que não.

Minutos depois no quarto eu estava deitada vestida de vestido rosa e meu celular começou a chamar era Ricardo perguntando seu estava bem eu respondi que sim pois estava cansada e seria uma ótima noite de sono ao desligar o celular uma batida na porta ao abrir era meu sogro e minha sogra e eu disse:

– Posso ajuda-los.

– O que acha de sairmos daqui. Disse minha sogra.

Ao sair passamos pela recepção e meu sogro perguntou para a recepcionista se tem algum motel aqui perto ela respondeu que sim escrevendo o endereço em um papel. Meu sogro ao sair da recepção alcançou para ela 100 reais e disse para ela que ninguém poderia saber e que voltávamos logo cedo, a recepcionista balançou a cabeça e disse:

– Que tenha uma ótima noite.

Pegamos o carro fomos em um motel que a recepcionista indicou. Já no quarto meu sogro abriu o jogo e me disse:

– Você parece que está com medo e que não quer continuar. Naquele estante momento passou tudo que vivi com Ricardo na minha mente eu sabia que estava fazendo algo errado, mas eu queria continuar e então disse:

– Eu e seu filho quando casamos colocamos algumas regras quando iniciamos no swing uma delas se abrange a jamais sair com sogro e sogra e por incrível que pareça eu desrespeitei todas e por incrível que pareça sogro já que vou desrespeitar novamente que essa noite vale a pena sexo limites e com tudo que tenha direito, mas que seja a última vez.

Nesse instante comecei a abrir meu vestido que caiu no chão ao cair no chão meu sogro ao ver isso seus olhos brilharam e se aproximou de mim me beijando e minha sogra sentou em uma poltrona para assistir.

Começamos a nós beijar e nossas linguais se uniram parecendo uma só e segundos depois sua boca beijava meu pescoço e meu seios e beijando-os milimetricamente e suas mãos firmes e fortes apertavam minha bundinha. Minutos depois ele me jogou na cama e na minha frente começou a tirar a sua roupa quando tirou sua calça pude ver seu pau seus belos 19 cm e ele então olhou para mim e me chamou:

– Vem chupar minha cadelinha.

Eu então fiquei de quatro na cama e como uma cadelinha fui engatinhando até a berrada da cama aonde ele estava e comecei a chupar. Ele então agarrou com suas mãos minha cabeça e como chupava seu pau ele começou a forçar minha cabeça em direção ao seu pau e eu por alguns segundos assegurei seu pau todo dentro da minha boca tinha que ver os seus gemidos era hilário.

– Hãããã, isso engole todinho minha cadelinha.

Minutos depois deitei na cama ficando de perna aberta olhando para ele e comecei a chama-lo e bem devagarinho começou a se ajeitar entre as minhas pernas e começou a beijar minha barriguinha e foi descendo até minha bucetinha e começou a chupar. Eu via estrelas nesse momento e meu corpo se recontorcia como nunca e minha mente em estase.

Por mais de dez minutos ele chupou minha bucetinha e pediu para eu ficar de bundinha para cima e eu apenas obedeci e com seu jeito elegante começou a beijar minha bundinha e dar leves palmadinhas e continuo beijando as minhas costas até chegar no meu pescoço. Naquele momento seu pau entrava na minha bucetinha bem devagarinho e minutos depois me abraçou forte colocando todo seu pau dentro de mim e começou a comer minha bucetinha firme e forte. Eu estava em estase, seu pau me completava por inteira e minha buceta engolia tudo aquele pau lindo e não demorou muito para ele aumentar o ritmo e suas estocadas.

– Isso, isso, isso, fode minha buceta.

Eu sinceramente não queria que essa noite acabasse, eu estava entregue a ele. Seu vai e vem aumentavam ainda mais e seu pau encaixa na minha buceta como nunca.

Trocamos de posição, com pernas abertas e meu sogro olhando para minha buceta. Fechei os olhos para aproveitar o momento quando senti seu pau abrindo caminho na minha buceta:

– Isso; fode!

Com um movimento bem devagarinho ele fodia minha buceta até deixar todo seu pau dentro da minha buceta deixando apenas o saco para fora:

– Caramba norinha você não imagina o quanto sonhei com esse momento novamente!

E ele passou a bombar fazendo despertar a amante fogosa que tinha dentro de mim que a muito tempo não se via:

– Isso sogro! Mete! Mete forte na sua norinha… Vai! Vaaaaiiiii! Ooooohhhhh!…

Eu não acredita que novamente estava sendo enrabada por ele. Suas estocadas firme e forte na minha buceta que logo eu estava tendo o meu mais incrível orgasmo:

– Tôooooo gozando sogro! Maaaiiiiisss!

Em todo o momento eu não parava de pensar do seu gozo dentro de mim ainda mais do próprio sogro:

– Goza em mim sogrão enche minha buceta de porá! Iiiiiiiisso!…

Naquele momento foi uma sensação incrível e minutos depois senti soltando jatos de porra quente dentro da minha buceta. Ficamos ali por alguns minutos grudados e começamos a nós beijar pois eu queria que cada gota daquele esperma daquele pau lindo e gostoso dentro da minha buceta.

Passados alguns minutos conversamos um pouco, eu e minha sogra e meu sogro, mas percebi que ele não parava de olhar para a minha bundinha.

– Que foi sogrão por que me cobiças.

– Sabe o que desejo.

E ele me beijou com uma vontade incrível. E eu passando a mão e segurando seu pau que estava novamente bastante duro. Fiquei na posição de cachorrinha e ele veio com tudo enfiando na minha buceta e bombando com força e segurando-me pela cintura.

Foi quando ele metendo e separando minhas nádegas com os dedos e lógico olhando para meu cuzinho, mas como eu penso sexo sem dar o cuzinho não é sexo:

– Que foi sogrão por que tanto olhas para meu cuzinho!

– Posso ter o privilégio de comer esse cuzinho.

– Vai fundo.

Ele rapidamente tirou da minha buceta e foi colocando no meu cuzinho e foi empurrando bem devagarinho:

– Ooooh! Que cuzinho gostoso norinha.

– Come minha bundinha; mete! Mete mais forte…Vai! Vaaaaaiiiiiiii!!!!!!

Ele me assegurando pelos cabelos aumentou o ritmo de suas estocadas no meu cuzinho que por sinal eu estava adorando dar minha bundinha. Eu estava doida como uma cadelinha no cio seu ritmo violento me levava a loucura eu apenas deixei ele fazer o que queria comigo.

Com seu pau todo no meu cuzinho ele diminui o ritmo e bem devagarinho comia minha bundinha parecendo que queria aproveitar cada minuto. Ele ficou assim por alguns minutos então assegurou com suas mãos pelos cabelos colocando todo seu pau no meu cuzinho não deixando nada para fora. Assim desse jeito começou um delicioso vai e vem bem fundo e cadenciado eu gemia de prazer:

– Fode minha bundinha fode.

Logo acelerou o ritmo e minutos depois um jato de porá invadi-o meu cuzinho foi uma das melhores sensações que tive.

Já recuperados fomos tomar banho pois já estava quase na hora de voltarmos para o hotel antes dos familiares acordarem. Chegando no hotel Ricardo estava lá fiquei sem reação quando ele perguntou:

– Foi bom ter transado com meu pai.

Meu sogro tentou explicar, mas Ricardo não quis saber e acabou dando um soco nele minha sogra tentou acalmar, mas ninguém quis ouvir. Foi ali que me separei hoje estou solteira confesso que trai, r nao me arrependo pois quem nao mandou me comer, mas é passado e depois daquele dia jamais emcontrei meu sogro e espero algum dia encontra-lo pois agora estou livre leve e solta.