Amateur

Primeira vez Com um homem
Sou moreno claro, 40 anos, olhos verdes, 75 Kg, e um quadril de 100 cm e ums peitinhos bem salientes. Certo dia de Verão eu estava com muito tesão, uma vontade imensa de ser possuido por outro homem. Naquele dia eu havia ganhado de presente da minha esposa uma calçinha fio dental cor de rosa. Me depilei todinho e após um banho demorado passei um creme em todo o corpo.
Cada vez me exitava mais, coloquei aquele fio dental novo, vesti um shortinho de laycra bem colado e curto, era só puxar um pouco para cima e as nadegas ficavam de fora. Um bom perfume feminino e estava pronto para o ataque, peguei minha bicicleta e pedalei até a beira do mar, era um dia de semana o mar estava deserto, eram 11:30 hs, pedalei pela beira do mar uns 40 minutos e nada, ninguém aparecia, então resolvi descer da bike e caminhar um pouco para sentir o sol na minha pele, que muito me exitava.
Enrolei a lateral da camiseta para que a minha bunda ficasse mais evidente e puxei o shortinho, enfiando ele um pouco para deixar a minha bunda bem amostra.
Cada movimento me exitava, cada vez mais, o sol me exitava, sentia uma sensação de liberdade, poder se expor, mostrar as partes do corpo embora não visse ninguém, cada vez me sentia mais a vontade com aquela solidão do mar e o desejo que eu sentia de fazer sexo, de ser possuido, meu corpo ardia de desejo sentia movimentos involuntários no meu cú que piscava de desejo.
Então fui mais ousado, tirei o shortinho e fiquei apenas de fio de dental e caminhava languidamente com um rebolado desejoso e sinuoso, exalava um perfume enibriante, estava muito exitado, tanta tesão que já estava quase me masturbando de tanta vontade de de ser possuido.
Quando eu já estava ficando decepicionado, e já distraido caminhando absorto num compassado rebolado apertando as nádegas para sentir o fio dental roçar no cuzinho, o que aumentava o tesão, derrepente percebo que um carro se aproximava lentamente, quase parando, naquele instante fiquei nervoso, ancioso, e para dizer a verdade muito nervoso.
O carro passa lentamente sinto o olhar do motorista, que quase parando fala, passeando gostosa, para a alguns metros depois, até cheguei a pensar que ele não iria parar, mas, faz uma manobra e para numa posição que daria uma proteção para que não fosse visto.
Caminhei até o carro e para minha surpresa o motorista estava ali, completamente nú, houve um momento de impasse e eu não sabia o que iria acontecer.
O motorista que vou chamar de Claudio um nome hipotético, pois nem tivemos tempo de conversar, ambos estavam fervendo com vontade de fuder. Cláudio me ofereceu aquele magestoso caralho que já estava duro ganancioso de prazer.
Não tive dúvida, Cláudio havia colocado as pernas para fora do carro, ficando sentado no banco , me ajoelhei e abocanhei aquele mastro grande duro e grosso uma cabeçona rosada e aquela pele alva, minhas mão tremiam, pois era a primeira vez que eu tinha uma relação com outro homem. Sempre tivera minhas fantasias, junto de minha esposa usavamos alguns brinquedos e nos divertiamos, ela sempre terminava me possuindo. Mas voltando ao assunto, Cláudio introduzia na minha boca aquela vara gostosa como se quisese que eu a engolisse toda de uma só vez, mas era impossível. Eu agarrava aquele caralho com as duas mãos e chupava ele avidamente, como se o mundo fosse acabar, eu me sentia nas nuvens, aos poucos foi passando o medo, adquirindo confiança no meu amante e fomos nos agarrando e nos deliciando. Claudio ficou enloquecido acariciava meu corpo, chupava meus peitinhos, engolindo-os com muito desejo, sugando-os avidamente, feliz por ter encontrado alguém depilado e cheiroso, alisava meu corpo com força, agarrava minha bunda com desejo, seu pau estava duro como uma rocha. Então Cláudio começou a massagear o meu cuzinho, enfiou um dedo, enfiava e tirava. Então coloquei um pouco de gel e ele então passa a querer alargar o meu cú. Enfiou outro dedo, logo depois mais um. Derrepente para e pede para que eu sente no seu colo, me ajeito e coloco o mastro na reta de entrada, e Cláudio vai esfregando aquela gostosusa no meu rabo, mas estava dificíl de penetrar então ele pede para que eu fique de joelhos no banco do carro.
Pega o tubo do gel enche meu cuzinho de forma carinhosa e gentil, esfregando até ter certeza que havia introduzido bastante gel para dentro. Claudio diz, quero sentir o calor do teu cuzinho, depois vou colocar um preservativo. Aponta aquele caralho gostoso para a porta de entrada do meu cú e começa um ritual lento de introdução. Eu lhe disse Cláudio você é o primeiro, vai com calma, que eu não estou acostumado, principalmente com um pau tão grosso. Ele diz. Há então vou te fazer minha mulherzinha com muito carinho. Eu ficava cada vez mais exitado. Colocou aquela cabeçorra no meu cú e foi empurrando lentamente. Então ele diz agora é contigo gostosa, já meti a cabeça agora mexe. Comecei a rebolar lentamente sentindo o prazer de ter o cú invadido por um cacetão que latejava, parecendo que iria explodir. Tento iniciar um entra e sai, num movimento desajeitado pela falta de prática e eis que Cláudio agarra a minha bunda com força e da uma estocada só, me enfia todo aquele caralho rabo a dentro, acho que devia ter mais de 20 cm, vi estrelas, aguele cacete me invadiu de uma só vez as entranhas. Na hora os olhos lacrimejaram, cheguei a sentir uma dor nas pregas que se foram, pois ele havia me enterrado e segurava com força lá no fundo. Era um misto de dor e prazer, sentir o anelzinho do cú apertando aquele mastro delicioso. Não sabia o que fazer, fiquei parado imóvel, Cláudio me da umas leves palmadas e diz meche minha puta, então começo a me movimentar, ele vai ficando louco de tesão, me morde o pescoço, aperta a minha bunda e me soca cada vez com mais força. Então num momento de sanidade pedi para ele que coloca-se o preservativo, ele coloca e reinicia com mais vontade ainda.
Não imaginava que podia ser tão bom fazer sexo com alguém que realmente quisesse fazer sexo com outro homem. Até hoje meu cú sente saudades do caralho de Cláudio, foi o macho que tirou a virgindade do meu cú. Então já acostumado com o aquele caralho dentro de mim reinicio um remelexo frenético, sentido prazer, começo a mexer prazeirosamente para o meu macho que estava enlouquecido dentro de mim. Neste momento eu já implorava para que ele enfiasse tudo, que não deixa-se nada de fora, foram momentos de puro sexo a****l, de palavras desencontradas e de muito prazer, Cláudio percebendo que estava chegando a hora de gozar pega o meu pau e começa a me masturbar para que gozassemos junto derrepente ele deu um hurro e despejou dentro do meu cú um rio de porra quente. Eu senti seu pau latejar e jorrar dentro do meu cú, aquilo aconteceu umas três vezes, Cláudio era multi orgâsmico e jorrava porra daquele caralho como chafariz . Cada vez que gozava retirava o pau e enfiava de novo sempre com muita força, alargou meu cú de uma forma que não tive mais dificuldades para dar, agora é só prazer, Cláudio cumeu e recumeu, arrombou meu cú e me deu muito prazer, ficamos ali fudendo mais ou menos uma hora, se alguém nos viu não sabemos, mas também não importa, Ficamos tão envolvidos que não vimos ninguém e nos esquecemos da hora, pena que esta foi a única vez que nos encontamos. Saudades do prazer que este macho me deu.