Aluna safadinha
Dava aula em uma escola particular de classe media alta. Todas as quintas e sextas-feiras passo a tarde vendo aquelas garotinhas colegiais com roupas coladas e shortinhos curtos fazendo exercícios físicos…As turmas são separadas, primeiro a masculina, depois a feminina e, tem uma classe em especial, a ultima aula de sexta feira, que acaba as 18:30h, desde o primeiro dia de aula percebo a admiração de uma de minhas alunas por mim, e ela é muito indiscreta, fica reparando na minha bunda e nos meus seios que, tenho que admitir tenho um corpo muito bonito tenho as coxas grossas, bunda e seios grandes, devido a minha profissão, que exige muita preparação física. Tenho muita intimidade com minhas alunas mas com essa, uma intimidade a mais. Sinto-me culpada as vezes de pensar nela com tanto tesão, mas ela provoca, nunca chegou a se insinuar diretamente pra mim, mas faz de tudo para me deixar louca de vontade de toca-la. Sempre me cumprimenta com muitos beijos propositalmente muito perto da minha boca, abraços apertados que acabam fazendo nossos seios se encostarem, as vezes me abraça por trás e seu corpo roça no meu apertando-o contra minha bunda, mas tem o cuidado de não deixar as outras alunas perceberem e, tem vezes, quando me agacho e minha calcinha aparece, ela se abaixa atrás de mim e a coloca de volta para dentro enfiando sua mão “sem querer” junto com a calcinha. Uma vez ela exagerou, foi de saia plissada a aula e, no alongamento, ficou sem dupla e tive que fazer com ela, como só tinha meninas, deixei que fizesse a aula naqueles trajes. No exercício, ela se deitou com os joelhos friccionados e eu em sua frente, com a xaninha dela na minha cara. Conforme íamos fazendo o exercício, eu não conseguia parar de olhar para sua calcinha que, branquinha, ia ficando transparente pois estava molhadinha, e ela via que eu estava olhando, sorria para mim com aquela cara de safadinha mordendo os lábios, nas pausas, ela abria e fechava as pernas o que me enlouquecia, não agüentei e mudei de exercício, alguém podia perceber, aquilo já era demais, não podia perder meu emprego por causa daquela menina, como podia pensar essas coisas com minha própria aluna, e tão novinha? A sorte era que aquela havia sido a ultima aula antes das férias de meio de ano, não a veria por um mês. Mas não resisti quando ela me pediu o meu endereço do msn, aqueles bate-papos tipo ICQ. Passaram-se 2 semanas de férias e ela estava online quando eu entrei, eram umas 4h da manha, perguntei porque ela estava na internet aquela hora e ela me respondeu que havia acabado de chegar, perguntei da onde e ela respondeu que estava com uma garota e começou a me contar detalhes do que havia acontecido entre elas, por um momento eu esqueci que era sua professora e queria saber mais e mais, conforme ela ia me contando suas travessuras eu me masturbava diante do computador, era muito excitante a história, ela realmente era muito gostosa.

Numa parte da nossa conversa ela começou a perguntar coisas para mim, eu tentei mudar de assunto mas ela disse para que quando estivéssemos fora da escola, eu esquecesse que era sua professora, pediu que fossemos amigas, então eu respondi suas perguntas mas não contei-lhe toda a verdade, quando me perguntou se eu gostava de mulheres, eu logo disse que não, mas que respeitava. No dia seguinte, encontrei com o meu namorado e nós transamos, durante a relação me vinha na cabeça a história da minha aluna e dela balançando suas pernas na minha frente, se roçando em mim…comecei a me masturbar quando ele me penetrava atrás e imaginava que era ela que fazia isso, depois dessa transa, terminei com o meu namorado pois ele já não me dava mais prazer, eu estava doente de tesão pela minha aluna, ela era muito gostosa e tinha uma fantasia sexual com professora e aluna desde a minha infância, esta seria a minha chance, mas corria o risco de perder um ótimo emprego. Resolvi então esquecer essa maluquice e me afastar dela, não falei mais com ela na internet e quando começaram as aulas eu a evitava ao maximo, até que dois meses depois eu perguntei quem queria carona para casa e ela era a única que morava perto da onde eu ia, e aceitou a carona, fomos então ela e eu no carro a sós, eu comecei a falar do meu novo namorado para não dar chance a ela de se insinuar mas foi em vão, ela perguntou se eu tinha gostado da nossa conversa no msn e eu não menti, respondi que havia adorado mas que não deveria se repetir porque eu era sua professora. Toda sexta feira eu passei a dar carona para ela, e a cada volta a situação ia ficando cada vez mais difícil para mim. Eu não conseguia parar de reparar em seus seios e a curva que eles faziam para dentro dos decotes…até que ela percebeu e falou “você acha que tenho seios grandes professora?” os seios dela eram enormes e durinhos e ela sabia disso, respondi que sim e ela falou “os seus também são muito bonitos, queria que os meus fossem assim..” e encheu a mão colocando-a no meu seio e acariciando-o, estávamos no carro, pedi que parasse e ela se desculpou, parei de dar carona a ela e, muito triste, não foi mais as minhas aulas. No fim do ano, uma surpresa: ela era a única que havia ficado com baixa em Ed. Física por falta e a diretora resolveu que ela deveria vir uma semana das férias para a escola e ter 5h por dia de aula de ed. Física e eu teria que ficar também para dar essa aula, seria só eu e ela na escola e como a quadra era coberta, ficaria fechada com nós duas apenas dentro, ninguém poderia atrapalhar, seria a nossa chance, mas será que valia a pena arriscar me emprego? Será que ela ainda ia querer depois do que havia acontecido? No primeiro dia da tal semana, ela veio com a roupa colegial da escola, adverti a ela que deveria vir com a roupa da aula, mas ela disse que acabara de vir de uma aula de recuperação e que ia tomar um banho no vestiário antes e pediu que eu lhe fizesse companhia pois tinha medo de ficar lá sozinha. Sentei-me no banco de frente para o chuveiro onde ela iria tomar banho. Eu a vi se despir peça por peça, quando já estava sem calcinha, apenas com o sutiã, pediu que eu o abrisse para ela atrás pois não conseguia, eu me levantei e desencaixei os ganchinhos q prendiam seu sutiã, ele escorregou pelos seus braços e caiu no chão, eu estava atrás dela, ela pegou minhas mãos e colocou-as em seus seios e, com suas mãos sobre as minhas, os apertava.

Meu corpo estava bem grudado ao dela, eu com as mãos em seus seios e ela pegou no meu rosto e aproximou-o ao dela, nos beijamos como eu nunca havia beijado antes, durante intervalos de beijos ela ia tirando minha roupa peça por peça, até que eu, assim como ela, fiquei nua. Nossos corpos colados, nus, seio com seio se roçando, entramos no chuveiro juntas, peguei o sabonete e passei por todo seu corpo e ela no meu, então ela falou para eu me sentar, eu o fiz e abri as pernas, ela passou o sabonete na minha xaninha que estava pulsando de tesão, depois ela pegou o chuveirinho e apontou pra ela, jogando água no meu clitóris e massageando-o com o dedo, minha xana pulsava e pulsava até que gozei, ninguém nunca havia conseguido me fazer gozar tão rápido, ela sabia exatamente os pontos que eu sentia mais tesão e brincava com eles, depois de gozar uma vez ela se deitou e disse que era a vez dela, eu lambi toda a sua bucetinha que tinha um cheiro de prazer que me levava a loucura, aquele gostinho de xaninha molhada, de tesão, eu me fiz naquela buceta gostosa, enfiava meu dedo enquanto com a língua lambia seu clitóris, xupei-a até gozar na minha boca, depois nos beijamos, as duas deitadas, eu por cima. Me virei e fizemos um 69 delicioso, o xuveiro ainda ligado, aquela água caindo sobre minhas costas e escorrendo pelo meu anus até a xana onde ela me xupava, enfiava sua língua tão a fundo que eu ia até o céu e voltava ao inferno de prazer. Ela ficou de joelhos depois e eu de quatro, ela passou o sabonete no meu cuzinho e depois de passar o chuveirinho nele, lambeu-o todinho enquanto penetrava com dois dedos na minha buceta.

Com o mesmo dedo que enfiou na buceta, ele todo melado do meu prazer, enfiou primeiro um devagarinho no meu anus, depois o outro e penetrava nele cada vez com mais intensidade, enquanto que dava lambidas na minha buceta e enfiava 2 dedos da outra mão nela, era uma sensação maravilhosa, eu gemia de prazer, tentava segurar mas estava sendo muito bom e gritinhos escapavam, eu estava me acabando de prazer, não conseguia nem respirar direito, ela era muito gostosa, sabia levar ao orgasmo como ninguém antes havia feito comigo, eu cheguei ao ápice do prazer, já gozara 2 vezes e desta, orgasmos múltiplos, era a melhor transa da minha vida. Mas mesmo cansadas não paramos, nos deitamos com as pernas encaixadas de forma que nossas bucetas ficava, grudadas e ao mover do nosso corpo elas iam fazendo aquele barulhinho que eram melodia para meus ouvidos, os plecs plecs do roçar das xanas era excitante demais, como uma garota de 15 anos podia ser tão boa?! Depois disso, nos deitamos de lado, eu atrás dela e ela de costas pra mim, eu massageei seu clitóris e sussurrava em seu ouvido como ela era gostosa, nos beijamos muito e ela gozou pela ultima vez, estávamos exaustas, nunca havia gozado tanto na minha vida e ainda tinha tido orgasmos múltiplos, sem duvida a melhor transa de minha vida. Depois me troquei, dei carona para ela, nos despedimos com um longo beijo e fui para casa. Quando cheguei, deitei na cama e olhei minha xaninha, ela estava ardendo e vermelha de tanto sexo, mas não via a hora de chegar o dia seguinte para encontra-la mais uma vez…seria uma semana com ela, se todos os dias fossem que nem aquele, morreria feliz de tanto prazer.