Anal

SURPRESA NO RÉVEILLON
FESTA DE RÉVEILLON E UMA SURPRESA INUSITADA
Essa história aconteceu mesmo, do jeitinho que vou descrever. Foi tão gostoso que resolvi publicar, afinal, sexo vibrante pode acontecer nas mais inusitadas situações. Vou contar os momentos vividos por meu amigo Leo e sua companheira de brincadeira Cora. Eu fui apenas espectadora, vi tudo, mas não participei. Cora nunca tinha ficado com mais de uma pessoa, estava com receio de que uma mulher tocasse nela. Mas me deixou ver.
Faltava 1 dia para a virada de ano, estávamos os quatro amigos, já envolvidos pela embriaguez e alegria e do bom whisky. Eu ainda me envolvia pela vodka, estava acompanhada por uma linda mulher que exibia seus belos 42 anos numa mini saia perfeitamente ajustada, decote baixo, numa transparência floral. Simplesmente encantadora. Estávamos só nos amassos mesmo. Beijo gostoso e mais por debaixo da saia, mas não passou disso.
Já passava da meia noite e meus amigos já estavam bêbados; percebemos a chegada de um quarto colega que nos levara para um passeio no centro da cidade. Leo estava sozinho, doido pra meter no réveillon. Partiu desajeitado, trajava apenas samba canção e uma sandália. Se dessem sorte encontrariam umas raparigas bem safadas e que talvez topassem alguma aventura com  tão alegres e loucas figuras.
Rolava um show sertanejo; qualquer música era musica. Leo se deparou com uma investida. Uma moça que descaradamente encravou os olhos pra cima dele, mordiscou o canto inferior dos lábios, passou os dedos na bebida e os levou a boca chamando-o em seguida. Leo não hesitou, se postou ao seu lado, passos largos devido a bebida, soltou um elogio esfarrapado, se apresentando em seguida. Aproximou-se ao pedir um beijo, este que foi rejeitado pelo excesso do esfarrapo alcoólico. Mas conseguiu pegar o telefone da mulher e trocar aquele seu olhar, que conheço bem, o de  quem sabe o que acontecerá depois. Estava na seca, queria transar. Cora era o nome da mulher, aparentemente mais velha que ele. Gostosa!
Ao raiar o dia, Leo liga para Cora. Menos imprudente, convida-a para um cinema a noite. Shopping fechado, voltaram para a casa do amigo, festa rolando, muita gente, pouca luz, muito barulho. Saíram para uma volta, fui junto. Eu tinha fumado um, estava doida pra aprontar. Em meio a conversa ela conta estar com 2 meses de gravidez: aquele “grão de feijão” era imperceptível. Leo nunca tinha ficado com uma grávida antes. Mas aquela certamente valeria a pena, tinha um jeito de mulher safada e tesuda. Eu, banco de traz, coloquei a mão em seu ombro e falei.
–  Cora  ele tá doido pra te comer, veja como, seu pau está duro! Consigo ver daqui. Só de chegar perto de você ele fica com Tesão. Está doido pra meter. Pegue no cadete dele querida, chupa se você quiser. Ele é gostoso, já trocamos azarações juntos. Não fique tímida com minha presença, sou um presente. Aposto que te chupo melhor que ele. 
Ela  fitou os olhos em seu cacete duro, não dava pra disfarçar. Leo achava que nada aconteceria, ela o surpreende, olha em seus olhos e diz:
– ME c***. Passou a mão na pica de Leo, tirou pra fora da calça e deu uma chupadinha de leve, só pra deixá-lo com mais vontade.
Eu disse. – Vou junto!
Leo ficou sem reação, apenas sorriu com o canto dos lábios., Eu me estiquei pra frente e peguei naquele cadete. Ela puxou começou a chupar ali mesmo, dentro do carro. Que boquete gostoso! Leo já rumou direto para o motel. Mal deu tempo de descer do carro, foram tirando a roupa e direto pra cama, onde começaram um esfrega delicioso. Ela me pediu para não tocar nela, nunca tinha ficado com mais de uma pessoa em mesmo ambiente, mas me deixou ver.
Leo a postou de pé, de costas para a parede, entrelaçou suas pernas nas delas e estragava seu pau latejando nas virilhas dela, para que ela sentisse todo seu tesão. Esticou seus braços sobre sua cabeça e prendeu seus pulsos com uma das mãos; a outra mão segurava seus queixo num incrível beijo, onde as línguas passeavam entre os lábios, sugavam para dentro da boca. Leo encostava seu corpo sobre o dela e retirara-lhe primeiro a blusa…. que peito lindo! Grande e rosado, do jeito que ele gostava… caiu de cara!
Cora pegou a mão de Leo  e colocou por baixo da sua saia…. Ela estava sem calcinha, que safada! Ele já meteu um dedinho, enquanto chupava aqueles peitos grandes e gostosos…. com bicos salteados e rosados. Não aguentando de tesão, arrancou aquela sainha e caiu de boca naquela bucetinha molhada. Passou a língua sobre suas coxas bem abertas, suas virilhas tremendo de prazer, depois na sua xaninha, seu grelhinho duro que a fazia gemer a cada passada de língua e mordiscar. Ele chupava vigorosamente até que ela molhasse sua barba cerrada com aquele melzinho delicioso.  Lambeu todo seu corpo, e que corpo…. ela era baixinha, peitos e bundas grandes, meio gordinha…. bem branquinha, cabelos cumpridos e loiros… que delícia de mulher.
Em seguida ela começou a chupar seu pau, colocava tudo na boca e lambia loucamente. Parou repentinamente, olhou-o com cara de puta e voltou a pedir que a comesse outra vez. Leo não  resistiu colocou-a de quatro e meteu forte naquela bucetinha! Que bucetinha rosada e gostosa! O tesão era tanto que logo gozaram.
Leo mal tirou o pau, e logo aquela safada pediu para que ele a comesse novamente. Leo, tarado, não aguentou. Enquanto metia, ela dizia que gostava de ver sua piroca entrando naquela buceta arrombada e fácil. Ela gostava de ser chamada de safada e receber uns tapas naquela bunda gostosa, gozaram de novo. Foram tomar um banho, roçando um no outro, que mulher! Se descontraíram debaixo da ducha e voltaram à cama.
De volta à cama Leo foi se colocando por baixo, Cora, gentilmente se sentou sobre o pau duro e grosso de Leo. Ela começou a cavalgar, agachando e sentando sobre seu pau. Durante uma dessas sentadas, ela parou e começou aquele movimento: isso mesmo, um pompoarismo sacana! Apertava e soltava seu pau, enquanto pulava sobre ele. Leo não resistiu de tanto tesão, soltou ou grito e  gozou muito gostoso.
Acreditem que ainda deu tempo pra mais uma? Quando estavam vestindo as roupas para partir, ela fez questão de virar aquele rabo pro lado de Leo, se esfregou em seu pau…. Não deu outra, ele a comeu de novo. Tirou o pau da cueca, ela em pé, apoiada na cabeceira da cama.
Após quase 6 horas de motel, saíram com o sol ralando.
Quanto a mim? Leo deixou ela em casa, pegamos um caminhoneiro numa parada. Encostados o carro do lado do homem. Forte, bonito, cavanhaque, olhos verdes…. Dei sorte, sai do carro e me insinuou. Contei que estava vindo do motel com um casal de amigos, morrendo de Tesão por ver a farra dos dois…Coloquei suas mãos grandes sobre meus peitos e perguntei se estava a fim de uma rapidinha na boleia do caminhão. Foi uma rapidinha bem legal.