Brunette

banho de gozo
Tudo começou como uma brincadeira de internet. Todos temos fantasias e eu procuro realizar as minhas, mas esta não foi tão programada. Entrei num site da uol, de sadomaso. Até aí, tudo bem. Comecei teclar com um casal que se diziam dominadores e estarem procurando um escravo para serví-los; me candidatei (achando que seria só virtual). Mas o papo rolou gostoso e concordei conhecê-los. Marcamos um local discreto e tive uma boa surpresa. Ambos elegantes, esbeltos, chamavam a atenção. Ela, morena com cabelos bem preto, olhos claros, corpo torneado e volumoso. Ele, bem apessoado, corpo malhado, enfim. Como houve reciprocidade, pois tb gostaram de mim, me convidaram para ir até a casa deles. Mas com uma condição: iriam vendar meus olhos, para que eu não soubesse o caminho. Hesitei um pouco, mas topei. Deixei meu carro no estacionamento do restaurante e fomos. Chegando no tal local, ao sair do carro (vendado), colocaram uma algema em mim. Eu era marinheiro de primeira viagem, fiquei um pouco assustado, mas a essa altura já estava nas mãos deles. Entramos na casa. Soltaram minha venda. Uma bela casa, demonstrando serem de classe alta. Olharam um para o outro e com um sorriso estranho disseram que iriam se divertir. Aí tudo mudou. Aquele casal simpático mostrou uma face que até então jamais imaginei pudesse haver. Ela cuspindo na minha cara, mandou-me ajoelhar a seus pés e beijá-los. Tentei esboçar alguma resistência. Em vão. Ele se aproximou e com um olhar amedrontador disse: Faça o que ela mandou, senão vai se arrepender. Imediatamante caí de joelhos e comecei a beijar os pés daquela que se dizia minha dona. Era uma sensação estranha, eu queria sair dali, mas tb queria ficar e ver o que iria acontecer. Eles começaram a se despir. Aqueles corpos escondidos sob a roupa agora se desnudavam diante de meus olhos. Uma imagem digna de um filme. Mas minha alegria durou pouco. Sem mais nem menos ela começou a bater em meu rosto e me xingar. Eu ainda de joelhos atônito não sabia o que fazer. E nem precisava tb, pois ela é que mandava. Chegou com sua bocetinha perto do meu rosto e falou: Sinta o perfume dessa xaninha. Ao tentar colocar a lingua, outro tapa, agora mais forte. Quem mandou tocá-la ? Pedi desculpas e abaixei a cabeça. Ele veio por trás e puxando meus cabelos, levantou minha cabeça e fez eu olhar para ela, dizendo: Jamais se atreva a fazer algo que não foi mandado ! Fiz um sinal que tinha entendido e novamente pedi desculpas. Eles se afastaram, sentaram o sofá e começaram a se beijar e a se bolinar. Aquela cena me deu um tesão incrível. Senti meu pau começar a crescer dentro da calça. Vi tb o pau dele crescer na boca dela. Um pau comum, mas que dentro daquela boquinha rosada e macia, parecia bem maior que o meu. Estava assistindo a tudo quando de repende ela se virou e veio em minha direção. Abaixei a cabeça. Outro tapa. Ela se ajoelhou na minha frente e começou a me beijar. Senti um gosto que jamais havia provado. O gosto de um pau. É um sabor estranho, mas que naquela circunstância parecia surreal. Foi um beijo molhado, que chegou a escorrer saliva pelo canto das bocas. E ela falava: Sinta o gosto de um caralho por tabela, sei que vc gosta, seu viadinho; quando tiver uma mulher acho que vai adorar ser corno. E outras humilhações. Antes de se levantar, cuspiu na minha cara, uma saliva grossa que escorria pela minha face. Ela voltou ao sofá o colocou a bucetinha na cara do marido que começou a devorá-la. Via que ela delirava e a cara dele ficou toda melada. Ficaram assim alguns minutos. Depois ela ficou de costas para ele, percebia-se que o pau dele pulsava de tesão. Ela vagarosamente começou a sentar naquele caralho duro. Ví na real uma cena que só tinha visto em fime pornô. Um cacete sumindo diante de meus olhos e uma buceta que piscava e engolia-o todo. Meu pau parecia que ia estourar, tentei me masturbar, mas as algemas atrapalhavam. Algum tempo depois ela mandou que eu me aproximasse. Fui de joelhos e chegando mais perto ainda daquela cena magnífica, ela me mandou chupar sua buceta. Disse que não, pois o pau do marido dela estava todo lá. Ela, num impulso rápido e muito brava, me pegou pelo cabelo e estregou minha cara em sua buceta. E esfregava, e esfregava, que eu estava perdendo até a respiração. Meu rosto todo estava melado. Mandou que eu enfiasse a língua dentro dela e chupasse o pau do marido dela lá dentro. Ao tentar me afastar, pois isso eu não iria fazer, levei um tapa que fez que eu quase caísse de costas. Ela me disse que se eu não fizesse o que ela estava mandando, iria me bater com mais força e de outro jeito, o que ele tb ratificou. Diante disso, algemado, não tive opção, comecei chupar e lamber aquela bucetinha e por tabela o pau do marido dela. Confesso que naquela altura do campeonato nada mais importava. Decidi entrar na dança e comecei a chupar com gosto aquele sanduiche de pau e buceta. Ela percebeu. Parou de meter e disse: Eu sabia que vc gostava de um pau. Pois vou te dar. Novamente agarrou meu cabelo com força e empurou minha cabeça na direção daquele pau enorme, lambuzado de gozo dela e falava: Chupa esse cacete com gostinho de xana, parece um churros recheado. Abri minha boca e ele entrou todo dentro dela. Ela empurrava e puxava minha cabeça, num vai e vem que ele estremecia. De repente ele gritou: Vou gozar ! Tentei tirar minha boca, mas ela segurou com as duas mãos e falou: Não vai não. Vai sentir o gosto de porra, seu viadinho. Não deu tempo. Senti minha boca se encher de um líquido quente que eu só conhecia na mão, quando eu próprio me masturbava. Quando percebeu que ele tinha acabado, puxou minha cabeça para trás. Era porra prá todo lado, dentro da boca, nos lábios, na face. Ela vendo aquela cena, delirava e começou a me limpar com a língua. E tb limpou o pau dele. Quando ela estava com a boca cheia de porra, pressenti o pior, mas não deu outra. Ela levantou minha cabeça mais ainda, fez eu abrir minha boca e cuspir dentro dela. Era um misto de porra e saliva. Minha boca estava cheia, mas eu não queria engolir. Em vão. Ela tapou meu nariz e disse, engole que eu estou mandando. Sem opção, obedeci. Senti aquele líquido quente e gosmento descer pela minha garganta. Eles começaram a rir. Estavam realizados. Bom, enfim iriam me soltar e me levar embora. Ledo engado. Ele disse, pensa que acabou, é ? Nã, ná, ni, ná, não. Me pegaram pelos braços e me levaram até o banheiro. Uma bela suíte. Me colocaram na banheira de hidro de joelhos.Não estava entendendo nada. Aí ela me disse, que tal mais um banho ? Quentinho e dourado ? Não acreditei, aquela humilhação não tinha acabado. Enquanto ele ma agarrava por trás, ela mirou minha boca e despejou um mijo quente. Nunca tinha sentido aquilo. Enquanto ela mijava na minha boca, ela mijava na minhas costas. Agora sim, disseram. Tome um banho “de água” e vamos te levar. Bom, foi assim, minha primeira vez. Mas teve mais, com esse mesmo casal, mas deixa prá próxima. Se gostaram e quiserem fazer igual