College

A novinha do terceiro andar
Sou professor de natação… Sou um coroa que adora cuidar da saúde e por isso tenho um corpo atlético, apesar da minha idade já um pouco avançada. Morava sozinho em um condomínio em São Paulo no bairro do Pacaembu. Sempre tive muitas namoradas e “peguetes”, mas nunca fui casado. Atualmente estou solteiro há cerca de dois anos. Não estou numa fase muito boa, a maré não está para peixe, estou numa seca e já tem quase seis meses que não pego ninguém! Às vezes fico preocupado, será que estou ficando caído e velho de verdade e por isso vai ficar cada vez mais difícil arrumar uma gata?! Talvez esteja na hora de sossegar e arrumar alguém para um relacionamento sério, na verdade acho que já passou dessa hora… É! Estou começando a repensar meu estilo de vida.

Aliás, ultimamente, minha vida tem sido do trabalho pra casa e da casa para o trabalho! Chego cansado e não tenho mais aquele pique de antigamente, de sair à noite para botecos e baladas! Isso tem me deixado um pouco deprimido. Meu dia a dia estava monótono e rotineiro, até que em uma tarde de sexta-feira tudo ia começar a mudar…

Eu estava chegando de mais uma jornada cansativa de trabalho. Dou aulas de natação praticamente o dia todo em um conhecido clube aqui de São Paulo. A semana tinha acabado e eu estava esgotado, pronto para passar mais um fim de semana assistindo a filmes na televisão e comendo pipoca, e o que é pior, sozinho! No meu relógio marcavam exatamente cinco horas da tarde quando peguei o elevador de serviço do prédio onde eu morava, a porta já ia fechando quando escutei uma voz doce e delicada gritar: “Segura esse elevador!”…

Travei rapidamente a porta e adentrou uma novinha que eu literalmente babei! Branquinha, cabelos compridos e bem escuros, magra mas com um corpinho bem delineado, seios pequeninos, talvez ainda em formação, aparentava ter uns dezoito, dezenove anos. Mascando chiclete, ela agradeceu: “Obrigado, tio!”. Tio? Voltei pra minha realidade, definitivamente ela não era para o meu bico! Ela apertou o botão do terceiro andar e eu o do nono, seguimos cada um para o seu apartamento e eu tirei aquela delicinha da minha cabeça. Mas isso foi apenas por algumas horas…

No dia seguinte fazia um calor insuportável e eu sem nada pra fazer. Resolvi dar um mergulho na piscina do condomínio, meu intuito era apenas de me distrair um pouco, ficar trancado naquele apartamento sozinho ia me levar à depressão. Tomei um café reforçado, coloquei minha sunga e parti para o meu destino. Ainda era bem cedo, por volta das nove horas da manhã, a piscina estava vazia, me estiquei em uma cadeira, fiquei relaxando e me bronzeando.

Não demorou muito para a vizinhança chegar em peso, sábado de sol era normal aquilo ficar lotado, crianças pulando e espirrando água para todos os lados. Eu não tenho muita paciência e já estava pronto para voltar para casa quando vejo a tal novinha do terceiro andar chegando! Lógico que eu resolvi ficar mais um pouco e escondido pelos óculos escuros fiquei observando cada movimento daquela gracinha… Lábios rosados e pequenos, usava uma canga fina e leve de cor amarela que transparecia, dando pra observar perfeitamente o biquíni fio-dental que ela usava, enfiadinho naquela bunda redondinha.

Com o rostinho ainda sonolento, ela passou por mim e com um sorriso tímido me deu “bom dia”. Caminhou até o chuveirinho, tirou sua saída de praia revelando aquele maravilhoso corpinho num biquíni rosa minúsculo, um piercing em seu umbigo e a rachinha notória de sua bucetinha que marcou mais ainda quando ela tomou a ducha. Observei cada detalhe, antes dela dar um mergulho quase olímpico!

Que loucura! Eu com meus quase cinquenta anos de olho em uma garotinha que tinha idade para ser até minha neta! Bom, mas continuei admirando aquela gostosinha, que nadava de um lado para o outro da piscina, e eu ainda escondido pelos meus óculos escuros acompanhava cada movimento! O calor estava infernal naquele dia e também fui dar um mergulho, quem sabe não pintaria uma oportunidade de me aproximar dela.

Cai na água e fiquei encostado na borda da piscina e quando ela chegou nadando e se apoiou para pegar um ar, joguei um papo sem muitas pretensões: “Sabia que você nada muito bem?!”. Ela deu uma risadinha e me falou: “Aiii, Tio! Obrigada, mas eu só engano mesmo!”. E continuei tentando impressionar a novinha… “Sou professor de natação, você leva jeito sim!”. Ela saiu da piscina e se sentou na beirada, bem ao meu lado, continuamos um papo divertido, nos apresentamos, fui saber o seu nome, Bruna, e sua idade, vinte aninhos recém-completos! Ela parecia ter menos, mas eu até fiquei contente em saber disso, pois eu não seria mais um criminoso caso rolasse algo entre a gente!

Durante nossa conversa eu não consegui tirar os meus olhos do pacotinho que se formava no meio de suas pernas, dava pra ver perfeitamente o desenho de sua bucetinha pequeninha! Também não pude deixar de notar que ela tinha uma boca deliciosa, carnudinha e ela fazia questão de ficar mordendo os lábios e passando a língua como se estivesse ressecado do Sol, aquilo me provocava. Conversamos bastante, prometi ensinar à ela alguns truques de natação, viramos bons amigos, mas naquele dia, não passou disso…

Por volta das dez horas da manhã de domingo, a minha campainha toca! E para minha surpresa era ela, linda como sempre! Vestia a parte de cima de um biquíni rosa que deixava seu umbigo à mostra, um shortinho branco bem curto e sandálias havaianas. Veio me convidar para nadar e acabou entrando enquanto eu tomava café e ficamos conversando, eu ali meio paralisado com seu jeitinho de menina e sua maneira à vontade em conversar comigo. Ficamos batendo papo por mais de trinta minutos! Como estou enferrujado, sem ir pra balada caçar há alguns meses, ficava com medo de falar algo direto e que fosse inconveniente. Mas então ela disse uma frase que fez meu coração disparar: “Que saco! Não consegui prender direito a parte de cima do meu biquíni!”. E eu, nada! Fiquei sem reação, pairou um silêncio durante alguns segundos e mais uma vez ela reclamou sobre o sutiã… Então não aguentei: “Deixe que eu tento prender ele pra você!”.

Eu estava sentado, ela ficou de costas pra mim e em um primeiro momento pensei seriamente em apenas prender ele, só que talvez aquela fosse a minha única chance… Amarrei o lacinho do biquíni e fiz uma massagem carinhosa em suas costas! A novinha soltou um gemidinho de prazer… Foi a deixa perfeita! Eu a virei e fui beijando aquela boca delicada e ela retribuiu com muito calor. As minhas mãos começaram a percorrer aquele corpo macio e cheiroso, meu pau ficou duro na hora e entre os beijos ela começou a dizer: “Ai, meu Deus! Preciso ir embora!”.

Só que aí não a soltei mais! Fui apertando aquela cintura fininha e puxando-a contra meu corpo. As nossas bocas não paravam! Ela então mais uma vez tentou sair, abracei-a por trás, beijando seu pescoço, sua nuca, aquele cheiro de menina me inebriava, eu estava excitado demais, respiração ofegante, ela também respirava alto! Ela apoiou as mãos na mesa e eu por trás comecei a explorar seu corpinho. Comecei a alisar sua barriga, minha mão deslizava por seu short, ela foi se arrepiando toda, esfregando sua bundinha contra minha cintura. Pronto! Ela estava entregue! Soltei o sutiã do seu biquíni, ela ficou com os peitinhos de fora e eu babava! Tirei seu shortinho e apareceu um biquíni fio dental bem atolado no rego, branco e com detalhes em rosa.

Eu me sentei e ela ficou entre minhas pernas só com a parte debaixo do biquíni, me beijando. As minhas mãos percorriam aquela bunda perfeita, eu lambia seus lábios, seu pescoço, seus seios, desci até sua barriga, ela respirou mais forte, então eu levantei e a sentei, só neste momento que consegui observar direito aquela menina de 20 aninhos. A bucetinha dela estava totalmente raspadinha, me ajoelhei e tentei chupá-la, a posição era ruim, mas, mesmo assim, consegui sentir seu gostinho! Peguei suas pernas e coloquei sobre meus ombros, quando seus pés tocaram minhas costas eu arrepiei todinho, então fiquei brincando com sua bucetinha com minha língua e meus dedos, mas o tesão estava tão grande que não queríamos perder tempo! Me levantei, tirei minha roupa e quando fiquei nu ela chegou até mim e ficou massageando meu cacete com suas mãozinhas. Quase gozei nesta hora! Seu toque era macio, leve, com carinho e habilidade. Irresponsavelmente eu me sentei e fui puxar ela pra sentar no meu colo, então veio a grande surpresa…

Ela sentou no meu cacete e pude sentir aquela bucetinha, macia, quentinha, bem úmida e aconchegante, dei algumas metidas, mas ela se levantou, foi até seu short, pegou uma camisinha e disse: “Já estava tudo programado, você acha que eu vim aqui só pra te convidar pra piscina?”. Eu queria você desde o elevador e esta foi a oportunidade perfeita! Fiquei pasmo! Como pode uma menina com carinha de anjo estar afim de mim?

Coloquei a camisinha e tentamos novamente, com ela sentando em meu colo, mas não deu muito certo! Mudamos de cadeira e ela sentou em meu pau subindo e descendo. Estava muito bom, mas ainda desconfortável! Então levantamos e a coloquei de costas, apoiada na mesa e meti por trás. Soquei por alguns instantes e ela então pediu pra mudarmos de posição. Eu me deitei no chão e ela sentou mais uma vez, ali eu tinha uma visão maravilhosa, aquela delícia toda sentada sobre meu cacete, rebolando e gemendo gostoso. Mas o melhor estava por vir, ela levantou e falou: “Mete em mim de quatro!”.

Ela ficou posicionada com aquele rabo maravilhoso todinho pra mim e eu não esperei muito não, já fui enfiando! Meu pau deslizou pra dentro e soquei com força! Eu ficava admirando ela ali todinha pra mim, aquelas pernas maravilhosas e aquelas costas lindas! Então peguei seus ombros e comecei a socar mais forte, quando segurei seu cabelo ela falou gemendo e baixinho: “Bate!!!”.

Foi a gota d’água! Bati com vontade, com uma mão puxando seu cabelo e com a outra dando tapas em sua bunda. Ela gemia muito! Só fiquei frustrado por não conseguir ver seu rosto nesta hora, mas continuei metendo! E a safadinha não parava de me surpreender! A sua mãozinha procurou meu saco por baixo e começou a fazer carinhos nas minhas bolas enquanto eu socava rola em sua buceta. Meti até não aguentar mais e gozei, enchi a camisinha! Mas mesmo assim continuei metendo porque estava bom demais!

Eu perguntei se ela já tinha gozado e ela respondeu: “Claro que sim, olha meu coração!”. Estava a mil!!! Vestimos nossas roupas, trocamos uns beijos, conversamos mais um pouco e ela se foi.